O financiamento de apartamento é a principal forma de realizar o sonho da casa própria. Aqueles que pretendem adquirir um imóvel podem investir em uma linha de crédito imobiliário usada no mercado.

Por essa razão, quando não tiver seu valor total, pode realizar a negociação e parcelá-lo. É utilizado também para quem investe em imóveis e não deseja dispor de grande quantia de uma vez.

Assim, para auxiliar os futuros compradores, fizemos este post esclarecendo dúvidas sobre os principais tipos de financiamento. Fique conosco e saiba mais!

Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI)

O Sistema de Financiamento Imobiliário é pautado por um tipo de empréstimo concedido por um banco para aquisição de imóvel. Entre as vantagens, cita-se a ausência de valor máximo para o imóvel, sendo que o financiamento pode chegar a 90% do custo total. Nesse tipo de financiamento, você pode financiar um imóvel mais caro. Contudo, não há limites para a taxa de juros.

Sistema Financeiro de Habitação (SFH)

Tal sistema oferece crédito para comprar imóveis residenciais com valores de até R$ 1,5 milhão. Ele é válido para todo o território nacional, em especial por utilizar o dinheiro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

A sua vantagem é o oferecimento do crédito em condições favoráveis, cobrando juros máximo de 12% ao ano ou mais baixo, em caso de servidores públicos. Financiando 90% do imóvel, o crédito pode comprometer até 30% da renda familiar mensal e ser pago em 35 anos.

Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE)

Esse sistema encaminha o valor das cadernetas de poupança para o crédito imobiliário. Por ser o principal financiamento, seus recursos integram também o SFI e o SFH. O SBPE serve para comprar imóveis novos ou usados, com parcelamento de até 35 anos.

A maior vantagem desse crédito é o comprometimento de pequena porcentagem da renda familiar. No entanto, o financiamento limita-se a 80% do apartamento desejado, com juros variando de acordo com a situação, e exige o cumprimento de alguns requisitos: nacionalidade brasileira, maioridade civil e não restrição de crédito.

Pró-cotista

O pró-cotista é um crédito exclusivo para trabalhadores, mesmo que não sejam regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Somente é preciso que contribuam com o FGTS. Caso tenham até 10% do valor do imóvel na conta do FGTS, podem usar esse crédito, com suas boas taxas.

Entretanto, pelo fato de o fundo não ser tão sólido e depender apenas do seu dinheiro, pode ficar suspenso por algum tempo.

Carta de crédito FGTS

O referido financiamento usa recursos do FGTS para adquirir residências que tenham valor máximo de R$ 500 mil. Pode ser empregado na compra à vista, para entradas, consórcio ou o custeio de 80% do apartamento. Os 20% restantes devem ser pagos com recursos próprios.

Minha Casa Minha Vida

É um programa de financiamento imobiliário oferecido pelo governo federal a famílias com renda de até R$ 7 mil. Como vantagens têm-se as menores taxas de juros do mercado imobiliário, sendo que, se a renda familiar for de, no máximo, R$ 1.800,00, as parcelas mensais desse financiamento variarão entre R$ 80,00 e R$ 270,00. Todavia, esse grupo familiar precisa se inscrever na prefeitura ou entidade organizadora.

Portanto, o financiamento de apartamento é possível a todos que queiram conseguir sua moradia. Porém, é preciso analisar cada tipo de crédito e escolher aquele que se adequar à sua realidade financeira. Para isso, após estudar este post, invista em planejamento financeiro e pesquise apartamentos ideais para o financiamento.

Gostou destas informações? Então, assine a nossa newsletter e receba outras no seu e-mail.