A decisão de alugar um imóvel exige planejamento financeiro para analisar todos os gastos mensais e adequar o orçamento familiar. Isso é importante para ter mais tranquilidade, evitando imprevistos e dificuldades que podem prejudicar o cumprimento de suas obrigações.

No entanto, antes de se mudar, muitas pessoas consideram apenas o custo do aluguel antes de assinar o contrato, sem avaliar outras despesas e a necessidade de se planejar corretamente.

Neste post explicamos os principais aspectos e cuidados que devem ser observados na hora de alugar um imóvel. Continue a leitura e saiba mais sobre o assunto!

Gastos com a locação

O primeiro passo é avaliar todos os gastos com a locação para ver se ele se encaixa no orçamento familiar. Existem diversas despesas envolvidas nesse negócio que devem ser consideradas. Veja só.

Valor do aluguel

O primeiro ponto é verificar se o valor é compatível com os rendimentos familiares. Considere os demais custos do seu dia a dia, como água, energia elétrica, mercado, plano de saúde, transporte etc. É preciso ter atenção para não comprometer o pagamento de outras despesas ao assumir um aluguel muito elevado.

Observe também a taxa de reajuste. Anualmente, o valor do aluguel é reajustado de acordo com o índice indicado no contrato, e é fundamental observá-la para manter um bom planejamento financeiro.

Outro cuidado importante é ter atenção à comprovação dos rendimentos para locação. Geralmente é preciso comprovar renda 3 vezes superior ao valor do aluguel acrescido dos encargos para ser aprovado na análise de crédito.

Taxas extras

Além do valor anunciado pelo aluguel do imóvel, existem algumas taxas extras que podem ser repassadas para o inquilino no contrato de locação. O Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU), por exemplo, é pago anualmente e o valor varia de acordo com o imóvel.

É importante verificar quem deverá se responsabilizar pela quitação. Se for o inquilino, não se esqueça de consultar o valor e as formas de pagamento. Muitas cidades oferecem descontos para pagamento à vista, o que pode ser vantajoso para o morador.

Outra taxa comum é o seguro contra incêndio, de contratação obrigatória pelo proprietário do imóvel. Contudo, a responsabilidade pode ser repassada ao inquilino no contrato. Sendo assim, atente-se ao que diz o documento para incluir esse valor no orçamento familiar.

Garantia

Os contratos de locação costumam exigir uma garantia, com o objetivo de dar mais segurança para o proprietário sobre o recebimento dos valores acordados. Existem diversas modalidades, como:

  • depósito caução;
  • fiador;
  • seguro-fiança;
  • título de capitalização;
  • cartão de crédito.

No geral, a garantia gera alguns custos para o inquilino, então isso também precisa ser considerado na hora de fechar negócio. Isso acontece porque, em alguns casos, os valores devem ser pagos no início do contrato — momento em que você também precisará arcar com custos como mudança, aquisição de móveis e outros itens.

Quando o contrato de locação não prevê uma modalidade de garantia, a cobrança do aluguel pode ser feita de forma antecipada, com vencimento no sexto dia útil de cada mês.

Condomínio

Se você pretende alugar um imóvel em um condomínio, é fundamental avaliar o custo das despesas ordinárias. O inquilino é o responsável pelo pagamento das taxas, que englobam itens como:

  • água, energia elétrica e esgoto das áreas comuns;
  • serviços de limpeza, manutenção e conservação;
  • pequenos reparos nas dependências comuns;
  • verbas trabalhistas dos funcionários.

Entretanto, as despesas consideradas extraordinárias — como as que envolvem reformas e a constituição do fundo de reserva — são de responsabilidade do proprietário do imóvel.

Mobília

Os imóveis disponíveis para aluguel podem ser total ou parcialmente mobiliados, ou não contar com nenhum móvel. Isso também deve ser observado na hora de se mudar para ver se os custos são compatíveis com o orçamento familiar.

Opções mobiliadas têm um custo mais alto, mas você não precisará comprar esses itens, evitando despesas e facilitando a mudança. Contudo, se for preciso comprar móveis para a casa nova, lembre-se de incluir esses custos no cálculo dos gastos com a locação.

Impactos no dia a dia

Depois de fazer o planejamento financeiro, é preciso avaliar os impactos do aluguel do imóvel no dia a dia. Muitas vezes, alugar um imóvel que atenda a todas as suas necessidades exige a readequação de outros custos.

Ao escolher o imóvel ideal, verifique os impactos que isso terá no seu dia a dia. Pode ser necessário se mudar para determinada localização por motivos de trabalho ou encontrar um imóvel com espaço maior porque a família vai crescer, por exemplo.

Nesses casos, é comum que o valor do aluguel seja maior do que o inicialmente planejado. Sendo assim, é preciso avaliar que aspectos da vida serão impactados, como corte de despesas de mudança de hábitos, para verificar se realmente vale a pena esse investimento e se planejar financeiramente para isso.

Planejamento financeiro

Depois de avaliar todos os gastos, é preciso fazer um planejamento financeiro considerando essas despesas. Anote todos os rendimentos recebidos e verifique se o aluguel é compatível com o orçamento familiar.

Uma dica é manter um controle mensal para verificar se existem gastos que podem ser cortados. Muitas vezes é possível reduzir as despesas para deixar o orçamento mais folgado e facilitar o cumprimento das obrigações.

Além disso, se você tem outros planos — como economizar para fazer uma viagem, trocar o carro ou comprar um imóvel no futuro —, defina algumas metas de economia e prazos para juntar determinados valores. Dessa forma você pode investir em outros itens enquanto mora de aluguel.

Reserva financeira

A reserva financeira é um assunto recorrente quando se fala no planejamento para comprar imóvel, mas o fato é que ela também é importante no aluguel. Em caso de dificuldades, como desemprego ou problemas de saúde, você ainda terá que se responsabilizar pelo pagamento de todas as taxas da locação.

Os atrasos nos pagamentos resultam na cobrança de multa e juros, uso da garantia locatícia e, dependendo da situação, em uma ação de despejo — quando o proprietário entra com o processo visando reaver o imóvel diante da inadimplência. Contando com uma reserva financeira, você terá mais segurança e tranquilidade para arcar com todos os custos do aluguel.

Como vimos, para evitar complicações no aluguel é importante manter o orçamento familiar em dia, criando sempre novas metas e prazos para cumprir o planejamento financeiro e não ter dificuldades para arcar com as despesas da locação.

Agora que você já sabe quais aspectos considerar na hora de alugar um imóvel, descubra quais são os documentos necessários para fechar contrato!